Dia9 - "Da cabeça para as costelas, das costelas para o quadril, o calcanhar pisando o chão antes dos dedos, encontro uma dor num canto e depois um sorriso em outro, e depois um medo, a ingenuidade… e assim, desse modo me sinto imensa e eterna como o mar e suas ondas." - Por Lucia Maximo